Compre aqui mudas de qualidade!
Temos mudas de Coqueiro aVIVEIRO DE MUDASnão e Jabuticabeira em vaso.

Mudas de Arvores Nativas e
Mudas Frutiferas


Sites da Nossa Empresa

VIVEIRO DE MUDAS NATIVAS FLORESTA
Chacara das Palmeiras - Tupã

Para Venda temos:
Arvores de Canafistula em Vasos
Mudas de Canafistula


ARVORE DE CANAFISTULA
ARVORES NATIVAS
De acordo com o Sistema de classificação de
Cronquist, a taxonomia de Pe/tophorum dubium
obedece à seguinte hierarquia:
Divisão: Magnoliophyta (Angiospermae)
Classe: Magnoliopsida (Dicotiledonae)
Ordem: Fabales
Família: Caesalpiniaceae (Leguminosae:
Caesalpinioideae)
Espécie: Pe/tophorum dubium (Sprengel) Taubert,
Engler et Prantl, Natürl. Pflanzenf. ed. I.
3(3).77:176, 1892.
Sinonímia botânica: Caesa/pinia dubia Sprenger;
Cassia disperma Vellozo; Pe/tophorum
voge/ianum Bentham
Nomes vulgares no Brasil: acácia-amarela; amendoim, amendoim-falso, angico-bravo,
camurça, curucaia, ibirá e monjoleiro, em São Paulo; amendoim-bravo; angico; angicoamarelo
e angico-cangalha, em Minas Gerais; angico-vermelho e pororoca, no Paraná;
barbatimão, cabeça-de-negro e cabelo-de-negro, no Rio de Janeiro; cambuí, em Mato
Grosso do Sul e em Minas Gerais; canafiste; canafrista-branca, no Paraná; canafrístula;
cancença e favinha, em Pernambuco; canela-de-veado; canhafistula; caobi; cássia-amarela;
farinha-seca e faveira, na Bahia e em Minas Gerais; faveiro, no Distrito Federal, em Minas
Gerais e em São Paulo; guarucaia, em Minas Gerais e em São Paulo; guazu; ibira-puitá, no
Rio Grande do Sul e em São Paulo; jacarandá-de-flor-amarela; madeira-nova, em
Pernambuco e na Paraíba; pau-vermelho; quebra-serra, na Bahia; sobrasil; tamboril, na
Bahia, em Pernambuco e no Rio de Janeiro; tamboril-branco; tamboril-bravo, na Bahia e em
São Paulo; tamburi.
Nomes vulgares no exterior: arbor de artigas, no Uruguai; cariafístula e ybira puitá, na
Argentina; pacay, na Bolívia, e yvyra pyta, no Paraguai.
Etimologia: Pe/tophorum, o que conduz o disco, referindo-se ao estigma; dubium, . Em
tupi-guarani, é conhecida como ibira-puita-guassú, que significa "madeira-vermelhagrande"
(Longhi, 1995)
Descrição
Forma: árvore caducifólia (perde totalmente as folhas no inverno), com 10 a 20 m de altura
e 35 a 90 cm de DAP, podendo atingir excepcionalmente 40 m de altura e 300 cm de DAP,
na idade adulta. No Nordeste do Brasil, atinge 12 m de altura.
2 Canafístula
Tronco: cilíndrico, mais ou menos reto ou levemente curvo
e achatado e com base acanalada. Fuste com até 15 m de
comprimento.
Ramificação: dicotômica, cimosa. Copa ampla, umbeliforme,
largamente achatada-arredondada.
Casca: com espessura de até 25 mm. A casca externa é
marrom-escura, rugosa, provida de pequenas fissuras
longitudinais, que se desprendem em lâminas pequenas
quando jovem e em placas retangulares em exemplares
velhos. Quando jovem, apresenta abundantes lenticelas,
de distribuição difusa ou colunar multisseriada; solitárias
ou anastomosadas, de disposição e abertura horizontal
(Gartland & Salazar, 1992). A casca interna é dura, rósea,
pouco fibrosa.
Folhas: compostas, bipinadas, alternas, de até 50 cm de
comprimento por 25 cm de largura, com 16 a 21 pares de
pinas, de cor verde-escura; cada pina com 24 a 30 pares
de folíolos elípticos-oblongos, opostos, de 5 mm alO mm
de comprimento e 2 mm a 3 mm de largura, ápice
acuminado e base desigual.
Flores: amarelo-vivas ou alaranjadas, com até 2 cm de
comprimento, em vistosas panículas ou racemos
terminais ferrugíneos e tomentosos, medindo até 30 cm
de comprimento.
Fruto: sâmara com 4 a 9,5 cm de comprimento e 1 a 2,5
cm de largura. Contorno longitudinallanceolado ou
elíptico, com ápice agudo e base estreitada. Superfície
castanho-avermelhada a marrom, puberulenta, com
nervuras predominantemente no sentido longitudinal;
estas são mais fortes na região central, delimitando o
núcleo seminífero que se estende até o ápice. Em cada
fruto, com uma a quatro sementes no sentido longitudinal.
Semente: de contorno longitudinal ovado e transversal,
elíptico; superfície lisa, brilhante, amarelo-esverdeada.
Testa membranácea. Na parte basal-Iateral, encontra-se
um hilo oval, micrópila visível e rafe curta e fina, oposta à
micrópila (Oliveira & Pereira, 1984). Com cerca de 1 cm
de comprimento e 4 mm de largura.
Biologia Reprodutiva e Fenologia
Sistema sexual: planta hermafrodita.
\(etor de polinização: principalmente as abelhas e diversos
insetos pequenos.
Floração: de setembro a março, em São Paulo; de outubro
a março, no Rio de Janeiro e em Santa Catarina; em
novembro, no Mato Grosso do Sul; de dezembro a março,
no Rio Grande do Sul e no Paraná e, de março a agosto,
em Pernambuco.
Frutificação: os frutos amadurecem de abril a outubro, no
Rio Grande do Sul; de abril a agosto, no Paraná; em maio, no
Distrito Federal; de maio a dezembro, em São Paulo e, de
junho a agosto, em Santa Catarina. O processo reprodutivo
inicia entre sete e doze anos de idade, em plantio.
Dispersão de frutos e sementes: autocórica, principalmente
barocórica, por gravidade, e anemocórica: os frutos são
lentamente dispersos pelo vento. As sementes da
canafístula são encontradas no banco de sementes do solo.
Ocorrência Natural
Latitude: 7° S (Paraíba) a 30° S (Rio Grande do Sul), no Brasil,
atingindo o limite Sul a 30025'S em Artigas, no Uruguai.
Variação altitudinal: de 30 m (Rio de Janeiro) a 1.300 m
(Minas Gerais) de altitude.
Distribuição geográfica: Peltophorum dubium ocorre de
forma natural no nordeste da Argentina, nas províncias de
Misiones, Corrientes, Formosa e Chaco (Martinez-
Crovetto, 1963; Arboles, 1992), no leste do Paraguai
(Lopez et al., 1987), no norte do Uruguai (Lombardo,
1964) e no Brasil (Mapa 1), em Alagoas (Heringer &
Ferreira, 1973), na Bahia (Mello, 1968/1968; Lima,
1977; Occhioni, 1981; Harley & Simmons, 1986; Lewis,
1987; Pinto et aI., 1990; Lima & Lima, 1998), no Espírito
Santo, em Goiás, em Mato Grosso do Sul (Conceição &
Paula, 1986; Leite et aI., 1986; Assis, 1991; Conceição,
1991; Souza et aI., 1997; Romagnolo & Souza, 2000),
em Minas Gerais (Thibau et aI., 1975; Occhioni, 1981;
Brandão et aI., 1989; Gavilanes & Brandão, 1991;
Brandão, 1992; Brandão & Araújo, 1992; Brandão &
Silva Filho, 1993; Brandão et aI., 1993; Brandão &
Araújo, 1994; Vilela et aI., 1994; Brandão et aI., 1995;
Carvalho et aI., 1995; Pedralli & Teixeira, 1997; Brina,
1998; Carvalho et aI., 2000), na Paraíba (Ducke, 1953),
no Paraná (Inoue et aI., 1984; Roderjan & Kuniyoshi,
1989; Goetzke, 1990; Roderjan, 1990a; Roderjan,
1990b; Oliveira, 1991; Soares-Silva et aI., 1992; Silva
et aI., 1995; Nakajima et aI., 1996; Souza et aI., 1997),
em Pernambuco (Ducke, 1953; Lima, 1954; Tavares,
1959; Lima, 1970), no Rio de Janeiro (Mello, 1950;
Guimarães, 1951; Barroso, 1962/1965; Occhioni, 1974;
Bloomfield et aI., 1997b), no Rio Grande do Sul (Mattos,
1983; Reitz et aI., 1983; Brack et aI., 1985; Thum,
1992}.em Santa Catarina (Reitz et aI., 1978; Occhioni,
1981), e no Estado de São Paulo (Mainieri, 1970;
Nogueira, 1976; Baitello & Aguiar, 1982; Nogueira et aI.,
1982; Silva, 1982; Bertoni et aI., 1987; Demattê et aI.,
1987; Pagano et aI., 1987; Vieira et aI., 1989; Nicolini,
1990; Kotchetkoff-Henriques & Joly, 1994; Durigan &
Leitão Filho, 1995; Nave et aI., 1997; Cavalcanti, 1998;
Durigan et aI., 1999)
Aspectos Ecológicos
Grupo sucessional: espécie secundária inicial (Durigan &
Nogueira, 1990), mas com caracteristica de pioneira
(Marchiori, 1997).
Características sociológicas: a canafístula é abundante em
formações secundárias, mas com poucos indivíduos,
geralmente de grande porte, ocupando o estrato dominante
do dossel em floresta primária. Desempenha papel pioneiro
nas áreas abertas, em capoeiras e em matas degradadas. É
comumente encontrada colonizando pastagens, ocupando
clareiras e bordas de mata. É árvore longeva.
Regiões fitoecológicas: Peltophorum dubíum é freqüente
em todo o domínio da Floresta Estacionai Semidecidual
Submontana e Montana, onde ocupa o estrato dominante
(Roderjan, 1990). É também encontrada em outras
tipologias florestais, como Floresta Estacionai Decidual
austral, na bacia do rio Jacuí, onde ocupa o estrato
emergente (Klein, 1984); Cerradão (Bertoni et aI., 1987;
Durigan et aI., 1999); Chaco Sul-Mato-Grossense
(Conceição, 1991); Encraves vegetacionais na Região
Nordeste (Tigre, 1964; Fernandes, 1992); Caatinga (Lima
& Lima, 1998), e Pantanal Mato-Grossenseçonde ocorre
nas áreas de transição entre as partes úmidas e secas
(Conceição & Paula, 1986). A espécie também tem sido
observada na flora de áreas erodidas de calcário bambuí,
no sudoeste da Bahia (Lima, 1977). Fora do Brasil, é
encontrada na Selva Misionera na Argentina e parte do
Chaco no Paraguai.
Clima
Precipitação pluvial média anual: desde 700 mm (Bahia) a
2.300 mm (Santa Catarina).
Regime de precipitações: chuvas uniformemente
distribuídas na Região Sul (excetuando-se o norte do
Paraná), e periódicas, com chuvas concentradas no verão
ou no inverno, nas outras regiões.
Deficiência hídrica: moderada, no inverno, no oeste do
Estado de São Paulo, norte do Paraná e sul de Mato
Grosso do Sul, e forte, com estação seca de cinco a sete
meses na Região Nordeste (Bahia, Paraíba e Pernambuco) e
centro-norte de Minas Gerais.
Canafístula 3
Temperatura média anual: 18,1°C (Diamantina, MG) a
25,3°C (Bom Jesus da Lapa, BA).
Temperatura média do mês mais frio: 13,8°C (Francisco
Beltrão, PR) a 23,7°C (Bom Jesus da Lapa, BA).
Temperatura média do mês mais quente: 20°C
(Diamantina, MG) a 27,2°C (Corumbá, MS).
Temperatura mínima absoluta: -7,1°C (Campo Mourão, PR).
Número de geadas por ano: médio de zero a quinze;
máximo absoluto de 40 geadas, na Região Sul.
Tipos climáticos (Koeppen): principalmente em subtropical
úmido (Cfa); subtropical de altitude (Cwa e Cwb); tropical
(Aw), e eventualmente em temperado úmido (Cfb) e em
semi-árido (Bsh), na Bahia (Lima & Lima, 1998).
Solos e Nutrição
Peltophorum dubíum ocorre naturalmente em vários tipos
de solos, aparecendo em solos ácidos, inclusive de
Cerradão, até solos de alta fertilidade química. Em plantios
experimentais, tem crescido melhor em solos de fertilidade
química média a alta, bem drenados e com textura de
franca a argilosa. Não tolera solos rasos, pedregosos ou
demasiadamente úmidos.
Esta espécie é bastante exigente em N (nitrogênio)
(Nicoloso et aI., 2000). Recomenda-se aplicar 2,5 g de
fertilizante da formulação NPK 4-14-8, por recipiente
(volume de terra: 400' ml) (Pacheco, 1977). A adição de
lodo ou de esterco de curral e esterco de galinha bem
curtidos, na composição de substrato, são eficazes em
produzir mudas de canafístula de elevada qualidade
(Guerra, 1983).
Sementes
Colheita e beneficiamento: os frutos da canafístula devem
ser colhidos quando mudam de coloração verde-escura
para marrom-elara-acinzentada. Como os frutos
permanecem na árvore por muito tempo, quando as
sementes são colhidas muito secas, geralmente apresentam
germinação lenta e irregular, mesmo se deixadas imersas
na água por tempo superior a 72 horas (Duarte, 1978).
Por se encontrarem no interior de vagens indeiscentes, as
sementes de canafístula são de difícil extração. A extração
é feita manualmente, com o auxílio de um cacete, ou em
máquinas beneficiadoras, tipo debulhadora de milho
adaptada para sementes florestais (Ragagnin & Amaral,
1984).
4 Canafístula
Número de sementes por quilograma: 4.200
(Castiglioni, 1975) a 25.000 (Amaral & Araldi, 1979).
Um quilograma de frutos contém aproximadamente 200
g de sementes (Longhi, 1995), ou entre 4.900 e
12.000 sementes (Arboles ..., 1992; Durigan et al.,
1997) e o número de frutos/kg é igual a 5.280.
Tratamento para superação da dormência: as sementes
da canafístula apresentam forte dormência tegumentar,
que pode ser superada em ambientes naturais pelo
aumento repentino da temperatura do solo por ocasião
da abertura de clareiras na floresta (Costa & Kageyama,
1987). Para obtenção de mudas, com os tratamentos:
escarificação mecânica por dois a cinco minutos
(Figliolia & Silva, 1982) ou 30 minutos (Alcalay et al.,
1988) e escarificação com papel de lixa (Arboles ... ,
1992); pelo corte do tegumento na região oposta à da
emergência da radícula (Alcalay et al., 1988) ou corte
do tegumento na região radicial (Figliolia & Silva,
1982); imersão em ácido sulfúrico concentrado por dois
a dez minutos (Bianchetti & Ramos, 1981), 20 minutos
(Guerra et al., 1982; Perez et al., 1999) ou por 30
minutos (Capelanes, 1991), ou imersão em água
ambiente por 24 horas (Marchetti, 1984). Os
tratamentos de imersão em água quente fora do
aquecimento (70 a 95°C) não são eficientes para
superar a dormência (Bianchetti & Ramos, 1981). As
sementes mantêm germinação baixa e irregular, se não
forem submetidas a tratamento para superação da
dormência. Para sementes não tratadas, os tratamentos
pré-germinativos utilizados por Figliolia & Silva
(1982), não foram eficazes na permeabilização do
tegumento.
Longevidade e armazenamento: as sementes da
canafístula são de comportamento ortodoxo (Eibl et aI.,
1994; Perez et aI., 1999). Sementes com faculdade
germinativa inicial de 99%, armazenadas em sacos de
papel Kraft, em câmara seca e em temperatura ambiente,
com umidade relativa de 50%, aos 25 meses
apresentaram germinação de 92%, enquanto as
armazenadas em sala apresentaram uma germinação de
82% (Amaral et al., 1988). Sementes com faculdade
germinativa inicial de 95%, armazenadas em tamborete
em câmara fria (3 a 5°C e 92% de UR) apresentaram
germinação de 41% após sete anos de armazenamento.
Germinação em laboratório: os substratos areia a 26 e
30°C, papel mata-borrão branco a 22 e 26°C e papeltoalha
a 24 e 26°C, podem ser utilizados nos estudos
de germinação desta espécie (Ramos & Bianchetti,
1984). As sementes de canafístula são indiferentes à
qualidade e intensidade da luz (Perez et al., 1999).
Produção de Mudas
Semeadura: pode ser feita diretamente em recipientes, sendo
recomendado semear duas sementes. Se o recipiente for
saco de polietileno, recomenda-se que este tenha
dimensões mínimas de 20 cm de altura e 7 cm de
diâmetro. As mudas de canafístula, produzidas em
tubetes de polipropileno de tamanho médio.iapresentararn
um custo total de produção três vezes menor em relação
ao apresentado pelas mudas formadas em sacos de
polietileno (Machado et al., 1998). A repicagem, quando
necessária, deve ser feita entre três a cinco semanas após
a germinação, ou quando a muda atingir 3 a 6 cm de
altura. A canafístula apresenta elevada tolerância à poda
radicial, podendo-se podar as mudas a 20 cm de
profundidade (Locatelli & Galvão, 1980). As mudas são
formadas por uma raiz pivotante muito desenvolvida em
comprimento e espessura, da qual saem umas poucas
raízes laterais, curtas e bem mais finas (Carvalho &
Carpanezzi, 1982).
Germinação: epígea, com início entre seis e 120 dias após a
semeadura. O poder germinativo é alto, até 95% em
sementes com superação da dormência, e baixo, até 28%
em sementes sem superação da dormência. As mudas
atingem porte adequado para plantio, cerca de quatro meses
após a semeadura. Mudas com 50 cm de altura, de raiz nua
e pseudo-estacas de canafístula também apresentam bom
pegamento no plantio (Souza Cruz, 1992). Para Portela et
aI. (1999), mudas desta espécie não necessitam de
sombreamento na fase de viveiro, podendo ser produzidas
sob pleno sol.
Associação simbiótica: as raízes da canafístula não
associam-se com Rhizobium (Campelo, 1976; Allen &
Allen, 1981;Carvalho & Carpanezzi, 1982; Faria et al.,
1984a; 1984b; Gaiad & Carpanezzi, 1984; Oliveira,
1999). Entretanto, no Paraguai, menciona-se que suas
raízes têm nódulos grandes e que fixam nitrogênio (Lopez et
al., 1987). Deve-se investigar a presença de fungos
micorrízicos arbusculares.
Propagação vegetativa: propaga-se por enxertia através do
método da garfagem em fenda cheia apresentando, após 30
dias, 100% de pegamento (Silva, 1982). Propaga-se
também por estacas radiciais. Segundo Kirst & Sepel
(1996), a canafístula apresenta capacidade de
micropropagação através de emissão de gemas laterais,
embora nas condições testadas, o número médio de gemas
obtido por ápice tenha sido relativamente baixo (duas a três
para cada ciclo de quatro semanas). Segundo os autores,
para que se obtenham clones de canafístula, que possam ser
testados a campo, é necessário que se otimize a capacidade
dos ápices desenvolverem gemas laterais por períodos mais
longos, que taxas de multiplicação sejam maiores e que se
obtenha uma freqüência de rizogênese maior.
Características Silviculturais
A canafístula é uma espécie heliófila (Ferreira, 1977;
Inoue & Galvão, 1986); mediana mente tolerante a
baixas temperaturas. Sofre lesões por geadas com
temperatura mínima de - 1°C (Embrapa, 1986). Em
florestas naturais, árvores adultas toleram temperaturas
de até - 7°C. No Estado de São Paulo é considerada
tolerante às geadas (Durigan et al., 1997), e tolera
perfeitamente as baixas temperaturas do inverno gaúcho
(Maixner & Ferreira, 1976).
Hábito: variável, geralmente irregular, com perda de
dominância apical, com bifurcação desde a base ou com
formaçâo de galhos grossos, ainda que não seja rara a
forma monopódica. Há ocorrência de desrama natural.
Não obstante a característica ramificação dicotômica do
tipo ortotrópica, a canafístula deve sofrer poda corretiva
como complemento e desramas periódicas para
aumentar a altura comercial. A espécierebrota dos
pontos de poda.
Métodos de regeneração: recomenda-se o plantio da
canafístula a pleno sol, em plantio puro, com bom
crescimento, porém forma inadequada. Na maioria dos
plantios, apresenta sobrevivência superior a 80%, mas
com heterogeneidade entre as plantas no crescimento
em altura e diâmetro e na forma. Em plantio misto,
associado com espécies pioneiras, apresenta poucos
ramos, boa desrama e cicatrizaçâo natural, formando
fuste alto e livre de nós (Kageyama et a(, 1990). A
canafístula serve no tutoramento de espécies
secundárias-clímax; em vegetação matricial arbórea, em
capoeiras muito jovens, devendo-se abrir faixas largas,
garantindo-se iluminação direta da copa ou em
povoamentos densos espontâneos de Leucaena
leucocephala com abertura de faixas, preferencialmente
na direção Leste - Oeste (Zelazowski & Lopes, 1993).
Brota vigorosa da touça, após corte.
Sistemas agroflorestais: em sistema silviagrícola, na
arborização de culturas perenes, como o chá (Thea
sinensis) na Argentina. A espécie também é
recomendada para sombreamento de pastagens, abrigos
para o gado e em quebra-ventos, por apresentar copa
ampla. Mudas grandes com 2 a 3 m podem ser
transplantadas com sucesso com as raízes nuas
(Maixner & Ferreira, 1976). Resiste a ventos fortes,
sem quebra de galhos ou tombamento da árvore. No
Paraguai, estacas de canafístula são usadas para postes
vivos, que em pouco tempo brotam e começam a se
desenvolver (Parodi, 1934).
Canafístula 5
Melhoramento e Conservação dos
Recursos Genéticos
Peltophorum dubium está ameaçada de extinção no Estado
de São Paulo (ltornan et al., 1992), sendo necessária
preserva-Ia ex situ através de populações-base, sob a
forma de testes de progênies e procedências (Siqueira &
Nogueira, 1992). Instituições como o Instituto Florestal de
São Paulo e a Embrapa Florestas têm-se preocupado com
o melhoramento e a conservação genética desta espécie
(Nogueira et al., 1982; Shimizu et al., 1987). Testes
efetuados no Paraná e em São Paulo evidenciaram
variabilidade genética entre procedências e entre progênies
de canafístula (Siqueira et al., 1986; Shimizu et al.,
1987). Para esta espécie, nos locais sem déficit hídrico,
evidenciou-se a diferença entre as populações evoluidas
em regiões com e sem déficit hídrico (Shimizu et aI.,
1987).
Crescimento e Produção
A canafístula apresenta crescimento rápido (Tabela 1); a
produtividade volumétrica máxima registrada é 19,60 m31
ha.ano' (Nogueira et al., 1982). O baixo crescimento
observado em Concórdia - SC deveu-se às geadas fortes
verificadas em todos os quatro anos do experimento.
Higuchi (1978) elaborou equações volumétricas para
volume comercial com e sem casca, para as condições
edafo-c1imáticas de Foz do Iguaçu - PR e Guaíra - PRo
Características da Madeira
Massa específica aparente: a madeira da canafístula é
densa (0,75 a 0,90 q/cm-). a 15% de umidade (Braga,
1960; Stillner, 1980; Mainieri & Chimelo, 1989).
Massa específica básica: 0,53 a 0,65 q/cm" (Silva et
al., 1983). Cor: alburno róseo-claro levemente
amarelado; cerne com alternâncias irregulares de
colorido róseo-acastanhado e de bege rosado-escuro,
freqüentemente com veios escuros irregulares.
Características gerais: superfície irregularmente lustrosa
e um tanto grosseira ao tato; textura médio-grosseira;
grã fortemente revessa e diagonal. Cheiro e gosto
imperceptíveis.
Durabilidade natural: resistência moderada ao
apodrecimento. Estacas de cerne desta espécie
mostraram-se ser altamente resistente a fungos e
resistente a cupins (Cavalcante et al., 1982). Contudo,
a vida média da madeira de canafístula em contato com

Tabela 1. Crescimento de Peltophorum dubium em experimentos, no Brasil
(a) incremento médio anual em volume sólido com casca (m'/ha.ano-'), calculado com valores médios de altura e DAP.
(b) LVd = LATOSSOLO VERMELHO Distrófico; LVdf = LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico; NITOSSOLO HÁPLlCO Eutroférrico; LVAd = LATOSSOLO
VERMELHO-AMARELO Distrófico; LVd = LA TOS$OLO VERMELHO Distrófico; LVef = LA TOSSOLO VERMELHO Eutroférrico.
(c) dados fornecidos pelo Instituto Ambiental do Paraná -IAP.
(d) abertura de faixas na direção Leste - Oeste em povoamentos densos espontãneos de Leucaena leucocephala e plantio em linhas.
(e) abertura de faixas na direção Norte - Sul em povoamentos densos espontãneos de Leucaena leucocephala e plantio em linhas.
Outras Características
o solo é inferior a nove anos (Mucci et al., 1992;
Rocha et al., 2000).
Preservação: madeira com baixa permeabilidade às
soluções preservantes em tratamentos sob pressão.
6 I Canafístula

Apresenta certa semelhança com a madeira do
amendoim (Pterogyne nitensi, mas inferior a esta. É
sujeita ao empenamento.
A descrição anatômica da madeira desta espécie
pode ser encontrada em Mello (1950).
vez que há alguns anos atrás era desprezada
comercialmente. Por isso permanecia nas derrubadas
sem aproveitamento econômico imediato, como é o
caso das queimadas do oeste do Paraná, feitas há
alguns anos (Pereira, 1978). A madeira de canafístula,
é indicada em construção civil para vigas, caibros,
ripas, marcos de portas, janelas, assoalhos; em usos
externos como mourões, dormentes, cruzetas; em
indústria de móveis e guarnições; em construção naval
e militar; em marcenaria e carpintaria para fabricar
carroçarias, chapas e peças para decorações de
interiores e parquetes.
Energia: produz lenha e carvão de qualidade regular;
poder calorífico da madeira de 4.755 Kcallkg (Silva et
al., 1982).
Produtos e Utilizações
Madeira serrada e roliça: essa essência constitui-se,
atualmente, numa madeira de alto valor econômico, uma
Celulose e papel: espécie viável para produção de papel
(Paula & Alves, 1989).
Outros Produtos
Carboidratos: das sementes da canafístula se obtém
açucares e galactomanana com teor de 3,8% (Mayworm &
Buckeridge, 1997).
Constituintes químicos: pequena porcentagem de saponina
nas folhas (Mainieri & Chimelo, 1989), presença intensa na
casca e muito intensa no lenho (Sakita & Vallilo, 1990).
Substâncias tanantes: presença muito intensa de tanino na
casca com teores de 6 a 8% e presença intensa no lenho
(Sakita & Vallilo, 1990).
Outros Usos
Alimentação animal: a forragem da canafístula apresenta
11,2% de proteína bruta e 7,8% de tanino (Leme et aI., 1994).
Apícola: as flores da canafístula são melíferas, com
produção de néctar, mas, comenta-se que seriam nocivas
às abelhas (Correa, 1952).
Medicinal: as raízes, folhas, flores e frutos possuem
propriedades medicinais e são usadas na medicina popular
(Correa, 1952; Celulosa Argentina, 1973). Os índios de
várias etnias do Paraná e de Santa Catarina usam a casca
do caule desta espécie, na forma de chá, como
anticoncepcional (Marquesini, 1995).
Paisagístico: é cultivada para ornamentação de áreas
amplas, em arborização de avenidas, rodovias, praças,
parques e jardins (Toledo Filho & Parente, 1988; Lorenzi,
1992), de várias cidades brasileiras, entre as quais
Curitiba - PR (Roderjan, 1989); Foz do Iguaçu - PR
(Costa & Kaminski, 1990); Rio de Janeiro - RJ (Occhioni,
1974) e Santa Maria - RS (Santos & Teixeira, 1990).
Trata-se de árvore de grande efeito ornamental, pela
beleza de suas grandes panículas amarelas, sobressaindo
de grandes folhas delicadamente penadas, produzindo belo
efeito decorativo; a canafístula apresenta sistema radicial
bem desenvolvido, sendo dificilmente tombada pelo vento.
Os ramos são resistentes à ruptura. Entretanto, esta
espécie não é indicada para arborização urbana, por
apresentar porte grande.
Reflorestamento para recuperação ambiental: espécie
recomendada para reposição de mata ciliar, mas não tolera
terrenos encharcados, ainda que sobreviva a inundações
periódicas (Ferreira, 1983; Kageyama, 1986; Salvador,
1987; Salvador & Oliveira, 1989; Durigan et aI., 1997). É
indicada também para recuperação de áreas degradadas
(Carvalho, 1988) e utilizada no reflorestamento de encostas
no Município do Rio de Janeiro (Portela et al., 1999).
Canafístula 7
Principais Pragas
Destacam-se as famílias de Lepidoptera, Saturnidae
(Molippa sabina) e Geometridae, que causaram
desfolhamento total em povoamentos puros com menos
de um ano de idade em plantios no sudoeste do Paraná.
Os serradores cerambicídeos Oncideres ulcerosa e
Oncideres dejeani, também causam danos pequenos, em
plantios.
Espécies Afins
O gênero Peltophorum (Vogel) Walpers é monoespecífico
na América do Sul. Porém, outras espécies são assinaladas
em outras partes do mundo. Ao todo, existem nove
espécies com ocorrência em Cuba, Antilhas, África,
sudeste e sul da Ásia e nordeste da Austrália. Em Brasília -
DF, Peltophorum africanum é usada na arborização urbana
(Heringer & Ferreira, 1973).
Referências Bibliográficas
ALCALAY, N.; DIAS, L.L.;AMARAL, D.M.I.;ANTONIO, M.G.;
SAGRILLO, M.; MELLO, S.C.; RAGAGNIN, L.F.M.;
SILVA,N.A. da. Informações sobre tecnologia de
sementes e viveiro florestal. Porto Alegre: Instituto de
Pesquisas de Recursos Naturais Renováveis "AP'; 1988.
9p. (Publicação IPRNR, 22).
ALLEN, O.N.; ALLEN, E.K. The leguminosae: a source
book of characteristics, uses and nodulation. Madison:The
University ofWisconsin Press, 1981. 812p.
AMARAL, D.M.1. do; ALCALAY, N.; ANTONIO, M.G.
Armazenamento de sementes de quatro espécies
florestais do Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO
FLORESTAL ESTADUAL, 6., 1988, Nova Prata. Anais.
Nova Prata: Prefeitura Municipal de Nova Prata I
Meridional, 1988. p.373-397.
AMARAL, D.M.1. do;ARALDI, D.B. Contribuição ao estudo
das sementes de essências nativas do Rio Grande do Sul.
Trigo e Soja, Porto Alegre, n.43, p.4-30, 1979.
ARBOLES de Misiones: Peltophorum dubium (Spreng.)
Taub. Yvyraretá, Eldorado, v.3, n.3, p.25-27, 1992.
ASSIS, M.A. Fitossociologia de um remanescente de
mata ciliar do rio Ivinheima, MS. Campinas:
Universidade Estadual de Campinas, 1991.163p.Tese
Mestrado.
8 Canafístula
BAITELLO, J.B.; AGUIAR, O.T. de. Flora arbórea da Serra
da Cantareira (São Paulo). In: CONGRESSO NACIONAL
SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 1982, Campos do Jordão.
Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1982. p.582-590.
Publicado na Silvicultura em São Paulo, v.16 A, parte 1,
1982.
BARROSO, G.M. Leguminosas da Guanabara. Arquivos
do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
v.18, p.109-178, 1962/1965.
BERTONI, J.E. de A; TOLEDO FILHO, DV de.; LEITÃO
FILHO, H. de F.; MARTINS, F.R. Contribuição ao
conhecimento da flora arbórea-arbustiva do Cerrado da
Reserva Estadual de Porto Ferreira (SP). In: CONGRESSO
NACIONAL DE BOTÃNICA, 38., 1987, São Paulo.
Resumos. São Paulo: Sociedade Botânica do Brasil 1
Universidade de São Paulo, 1987, p.200.
BIANCHETII, A.; RAMOS, A Quebra de dormência de
sementes de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.)
Taubert: resultados preliminares. Boletim de Pesquisa
Florestal, Curitiba, n.3, p.87-95, 1981.
BLOOOMFIELD, V.K.; SANTANA, CA de A; SANTOS,
M.C. dos; DÁVILA, N.S.G.; MARCONDES, N.; CRUZ, F.;
MAGALHÃES, L.M.S. Levantamento florístico preliminar
de florestas secundárias de encosta em Paty do Alferes-RJ.
In: SIMPÓSIO NACIONAL DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS
DEGRADADAS, 3., 1997b, Ouro Preto. Do substrato ao
solo: trabalhos voluntários. Viçosa: Universidade Federal
de Viçosa, 1997. p.297-302. '
BRACK, P.; BUENO, R.M.; FALKENBERG, D.B.; PAIVA,
M.R.C.; SOBRAL, M.; STEHMANN,J.R. Levantamento
florístico do Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela,
Rio Grande do Sul, Brasil. Roessléria, Porto Alegre, v.7,
n.1, p.69-94, 1985.
BRAGA, R. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará.
Fortaleza: Departamento Nacional de Obras Contra as
Secas, 1960. 540p. ~
BRANDÃO, M. Cobertura vegetal do Alto Paranaiba:
microrregiões 171, 172 e 179 - dados preliminares.
Daphne, Belo Horizonte, v.5, nA, p.53-58, 1995.
BRANDÃO, M.; ARAÚJO, M.G. Cobertura vegetal do
Município de Belo Horizonte, MG. Daphne, Belo
Horizonte, v.2, n.2, p.5-12, jan. 1992.
BRANDÃO, M.; ARAÚJO, M.G. Resultados parciais dos
levantamentos físico e botânico da Reserva Biológica de
Santa Rita. Santa Rita do Sapucaí, MG. Daphne, Belo
Horizonte, v.a. n.3, p.8-20, jul. 1994.
BRANDÃO, M.; BASTOS, E.M.; SILVEIRA, F.R.C.
Inventário da flora apícola do Município de São Gonçalo
do Rio Abaixo, MG. Daphne, Belo Horizonte, v.a. n.3,
p.24-33, jul. 1993a.
BRANDÃO, M.; GAVILANES, M.L. Espécies arbóreas
padronizadoras do Cerrado mineiro e sua distribuição no
Estado. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.16,
n.173, p.5-11, 1992.
BRANDÃO, M.; GAVILANES, M.L.; KLEIN, V.L.G.;
CUNHA, L.H. de S. Cobertura vegetal do distrito de
Macuco, Município de São Domingos de Prata-MG. In:
CONGRESSO NACIONAL DE BOTÃNICA, 39., 1988,
Belém. Anais. São Paulo: Sociedade Botânica do Brasil,
1989. p.135-149. Publicado na Acta Botânica Brasilica,
v.2, n.1, 1989.
BRANDÃO, M.; SILVA FILHO, PV da. Informações
preliminares sobre a cobertura vegetal do Município de
Barão de Cocais - MG. Daphne, Belo Horizonte, v.3, n.1,
p.9-13, jan. 1993.
BRINA, AE. Aspectos da dinâmica da vegetação
associada a afloramentos calcários na APA Carste de Lagoa
Santa, MG. Belo Horizonte: Instituto de Ciências
Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais,
1998. 105p. Dissertação Mestrado.
CAMPELO, A.B. Caracterização e especificidade de
Rhizobium spp. de leguminosas florestais. Itaguaí:
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 1976.
122p. Dissertação Mestrado.
CAPELANES, T.M.C. Tecnologia de sementes florestais
na Companhia Energética de São Paulo. In: SIMPÓSIO
BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES
FLORESTAIS, 2., 1989, Atibaia. Anais. São Paulo:
Instituto Florestal, 1991. pA9-57.
CARVALHO, DA de.; OLIVEIRA-FILHO, A.T. de.;
VILELA, E. de A; GAVILANES, M.L. Flora arbustivoarbórea
de uma floresta ripária no Alto Rio Grande em Bom
Sucesso, MG. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v.9,
n.2, p.231-245, 1995.
CARVALHO, P.E.R. Louro-pardo. Boletim de Pesquisa
Florestal, Curitiba, n.17, p.63-66, 1988.
CARVALHO, P.E.R. Produção de mudas de espécies
nativas por sementes e implantação de povoamentos. In:
GALVÃO, AP.M., coord. Reflorestamento de Propriedades
Rurais para fins produtivos e ambientais: um guia para
ações municipais e regionais. Brasília: Embrapa
Comunicação para Transferência de Tecnologia;
Colombo,PR: Embrapa Florestas, 2.000. p.151-174
CARVALHO, P.E.R.;CARPANEZZI, AA Espécies florestais
com associações simbióticas, promissoras ou indicadas
para plantio no sul do Brasil. In: SEMINÁRIO SOBRE
ATUALIDADES E PERSPECTIVAS FLORESTAIS, 7.:
"Associações biológicas entre espécies florestais e
microorganismos para aumento da produtividade
econômica dos reflorestamentos", 1982, Curitiba. Anais.
Curitiba: EMBRAPA-URPFCS, 1982. p.7-17. (EMBRAPAURPFCS.
Documentos, 12).
CASTIGLlONI, JA Descripcion botanica, forestal y
tecnologica de las principales espécies indigenas de la
Argentina. In: COZZO, D. Arboles forestales, maderas y
silvicultura de la Argentina. Buenos Aires: Acme, 1975.
p.38-60. (Enciclopédia Argentina de Agricultura y
Jardineria, 2).
CAVALCANTE, M.S.; MONTAGNA, R.G.; LOPEZ,
GAA; MUCCI, E.S.F. Durabilidade natural de madeiras
em contacto com o solo. In: CONGRESSO NACIONAL
SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, Campos do Jordão,
1982. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1982.
p.1383-1389. Publicado na Silvicultura em São Paulo,
v.16 A, parte 2, 1982.
CAVALCANTI, D.C. Florística e fitossociologia de um
remanescente florestal transicional no Município de
Guaratinguetá, SP. Rio Claro: Universidade Estadual
Paulista, 1998. 103p. Dissertação Mestrado.
CELULOSA ARGENTINA (Buenos Aires, Argentina). Libro
dei árbol. 3.ed. Buenos Ai res, 1973. 'V 1.
COELHO, L.C.C.; NOGUEIRA, J.C.B.; SIQUEIRA,
AC.M.F.; BUZATIO, O.; SALLES, L.M. de AB. Ensaio
de espaçamento de ibirá-puitã (Pe!tophorum dubium
(Spreng) Taub., frente às condições de Mogi Guaçu-SP.
In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS
NATIVAS, 1982, Campos do Jordão. Anais ... São Paulo:
Instituto Florestal, 1982. p.1036-1038. Publicado na
Silvicultura em São Paulo, v.16 A, parte 2,1982.
CONCEiÇÃO, C. de A Influência do chaco nas matas
ciliares dos Rios Miranda e Paraguai em Mato Grosso do
Sul. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 42.,
1991, Goiânia. Resumos. Goiânia: Universidade Federal
de Goiás, 1991. p.377.
CONCEiÇÃO, D. de A; PAULA, J.E. de. Contribuição
para o conhecimento da flora do pantanal mato-grossense
e sua relação com a fauna e o homem. In: SIMPÓSIO
SOBRE RECURSOS NATURAIS E SÓCIO-ECONÔMICOS
DO PANTANAL, 1., 1984. Corumbá. Anais. Brasília:
EMBRAPA-DDT, 1986. p.107-136. (EMBRAPA-CPAP.
Documentos, 5).
Canafístula
CORREA, M.P. Dicionário das plantas úteis do Brasil e
das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Serviço de
Informação Agrícola, 1952. v.3.
COSTA, E.F.; KAMINSKI, N.L. Análise quali-quantitativa
da arborização de ruas do conjunto habitacional" A" da
Itaipu Binacional Foz do Iguaçu - Paraná. In: ENCONTRO
NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, 3., 1990,
Curitiba. Anais. Curitiba: FUPEF, 1990. p.252-262.
COSTA, R.B. da.; KAGEYAMA, P.Y. Superação da
dormência de sementes florestais em laboratório:
implicações com as condições naturais. In: CONGRESSO
BRASILEIRO DE SEMENTES, 5., 1987, Gramado.
Resumos ... Brasília: ABRATES, 1987. p.151.
DEMATIÊ, M.E.S.P.; AQUINO, CA de.; RODRIGUES,
E.H. de A.; LOUREIRO, N. Árvores e palmeiras de matas
ciliares remanescentes nos Municípios paulistas de
Jaboticabal e Guariba. In: CONGRESSO NACIONAL DE
BOTÂNICA, 38., 1987, São Paulo. Resumos. São Paulo:
Sociedade Botânica do Brasil! Universidade de São Paulo,
1987. p.284.
DUARTE, AP. Contribuição ao conhecimento da
germinação de algumas essências florestais. Rodriguésia,
Rio de Janeiro, v.30, n.45, p.439-446, 1978.
DUCKE, A As leguminosas de Pernambuco e Paraíba.
Memória do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v.51,
p.417-461, 1953.
DURIGAN, G.; BACIC, M.C.; FRANCO, G.A.D.C.;
SIQUEIRA, M.F. de. Inventário florístico do Cerrado na
Estação Ecológica de Assis, SP. Hoehnea, São Paulo,
v.26, n.2, p.149-172, 1999.
DURIGAN, G.; FIGLlOLlA, M.B.; KAWABATA, M.;
GARRIDO, MA de O.; BAITELLO, J.B. Sementes e
mudas de árvores tropicais. São Paulo: Páginas & Letras,
1997. 65p.
DURIGAN, G.; LEITÃO FILHO, H. de F. Florística e
fitossociologia de matas ciliares do oeste paulista. Revista
do Instituto Florestal, São Paulo, v.7, n.2, p.197-239,
1995.
DURIGAN, G.; NOGUEIRA, J.C.B. Recomposição de
matas ciliares. São Paulo: Instituto Florestal, 1990. 14p.
(IF. Série Registros, 4).
EIBL, B.I.; SILVA, F.; CARVALHO, A; CZEREPAK, R.;
KEHL, J. Ensayos de germinación y análisis cuantitativo
en semi lias de espécies forestales nativas de Misiones,
R.A. Yvyraretá, Eldorado, v.5, n.s. p.33-48, 1994.
Canafístula
EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Florestas
(Curitiba,PR). Zoneamento ecológico para plantios
florestais no Estado do Paraná. Brasilia: EMBRAPA-DDT,
1986. 89p. (EMBRAPA-CNPF. Documentos, 17).
FARIA, S.M. de; FRANCO, AA.; JESUS, R.M. de;
MENANDRO, M. de S.; BAITELLO, J.B.; MUCCI, E.S.F.;
DÓBEREINER, J.; SPRENT, J.1. New nodulating legume
trees from south-east Brazil. New Phytologist, Cambridge,
v.98, n.2, p.317-328, 1984b.
FARIA, S.M. de; FRANCO, AA; MENANDRO, M.S.;
JESUS, R.M. de; BAITELLO, J.B.; AGUIAR, O.T. de.;
DÓBEREINER, J. Levantamento da nodulação de
leguminosas florestais nativas na região sudeste do Brasil.
Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.19, p.143-
153, 1984a.
FERNANDES, AG. Biodiversidade do Semi-Árido
nordestino. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE
ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais. São
Paulo: Instituto Florestal, 1992, p.119-124. Publicado na
Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 1, edição especial,
1992.
FERREIRA, AG.; KASPARY, R.; FERREIRA, H.B.; ROSA,
L.M. Proporção de sexo e polinização em lIex
paraguariensis St. Hill. Brasil Florestal, Brasília, v.53,
p.29-33, 1983.
FERREIRA, M.G.M. Efeito do sombreamento na produção
de mudas de quatro espécies florestais nativas. Viçosa:
Universidade Federal de Viçosa, 1977. 41 p. Tese
Mestrado.
FIGLlOLlA, M.B.; SILVA, A da. Germinação de sementes
beneficiadas e não beneficiadas de Peltophorum dubium
(Spreng.) Taubert. em laboratório e viveiro sob
tratamentos pré-germinativos. In: CONGRESSO
NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 1982,
Campos do Jordão. Anais ... São Paulo: Instituto Florestal,
1982. p.908-916. Publicado na Silvicultura em São
Paulo, v.16 A, parte 2, 1982.
GAIAD, S.; CARPANEZZI, AA Ocorrência de Rhizobium
em leguminosas de interesse silvicultural para a região sul.
Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.19, p.156-
158, 1984.
.GARTLAND, H.M.; SALAZAR, W. Descripcion y clave de
reconocimiento de las principales especies forestales de
Misiones ai estado de renuevo. Yvyraretá, Eldorado, v.3,
n.3, p.117-129, 1992.
GAVILANES, M.L.; BRANDÃO, M. Informações
preliminares acerca da cobertura vegetal do Município de
Lavras, MG. Daphne, Belo Horizonte, v.1, n.2, p.44-50,
jan. 1991.
GOETZKE, S. Estudo fitossociológico de uma
sucessão secundária no noroeste do Paraná: proposta
para recuperação de áreas degradadas. Curitiba:
Universidade Federal do Paraná, 1990. 239p.
Dissertação Mestrado.
GUERRA, M.P. Influência de diferentes substratos na
produção de mudas de Peltophorum dubium (Sprengel)
Taubert. ínsula, Florianópolis, n.13, p.48-59, 1983.
GUERRA, M.P.; NODARI, R.O.; REIS, A; GRANDO, J.L.
Comportamento da canafístula (Peltophorum dubium
(Sprengel) Taubert em viveiro, submetida a diferentes
métodos de quebra de dormência e semeadura. Boletim de
Pesquisa Florestal, Curiti ba, n.5, p.1-15, 1982.
GUIMARÃES, J.L. Aspectos geo-botânicos ecológicos do
KM 47 da Rodovia Rio-São Paulo. Arquivos do Serviço
Florestal, Rio de Janeiro, v.s. p.35-70, 1951.
GURGEL FILHO, O. do A.; MORAES, J.L.; GARRIDO,
L.M. do AG. Silvicultura de essências indígenas sob
povoamentos homóclitos coetâneos experimentais 1I1-lbirá
(Peltophorum vogeilanum Benth.). In: CONGRESSO
NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 1982,
Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Instituto Florestal,
1982. p.852-856. Publicado na Silvicultura em São
Paulo, v.16 A, parte 2, 1982.
HARLEY, R.M.; SIMMONS, NA Florula of Mucugê:
Chapada Diamantina - Bahia, Brazil. Kew: Royal Botanical
Gardens, 1986. 228p.
HERINGER, E.P.; FERREIRA, M.B. Dois faveiros (um
brasileiro e outro africano) e a sibipiruna. Cerrado, Brasília,
v.5, n.21, p.29-33, 1973.
HIGUCHI, N. Tabelas de volume, para povoamentos
nativos de canafístula ILeguminosael. cedro IMeliaceael,
pau-marfim IRutaceael e canelas ILauraceael no extremo
oeste. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1978.
77p. Tese Mestrado.
INOUE, M.T.; GALVÃO, F. Desempenho assimilatório de
Mimosa scabrella, Peltophorum dubium, Schinus
terebinthifolius e Matayba elaeagnoides, em dependência
da intensidade luminosa. Acta Forestalia Brasiliensis,
Curitiba, v.1, n.1, p.89-98, 1986.
INOUE, M.T.; RODERJAN, C.V.; KUNIYOSHI, S.Y.
Projeto madeira do Paraná. Curitiba: FUPEF, 1984. 260p.
ITOMAN, M.K.; SIQUEIRA, AC.M. de F.; CAVASSAN,
O. Descrição de quinze espécies arbóreas de mata
mesófila do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção.
Salusvita, Bauru, v.11, n.1, p.1-38, 1992.
KAGEYAMA, P.Y. Estudo para implantação de matas
ciliares de proteção na bacia hidrográfica de Passa Cinco
visando a utilização para abastecimento público.
Piracicaba: ESALQ, 1986. 236p. Relatório de pesquisa.
KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A
Plantações mistas com espécies nativas com fins de
proteção a reservatórios. In: CONGRESSO FLORESTAL
BRASILEIRO, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São
Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1,
p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.
KIRST, M.; SEPEL, L.M.N. Micropropagação de Cedrela
fissilis Vellozo a partir de ápices de plântulas. In:
SIMPÓSIO SOBRE ECOSSISTEMAS NATURAIS DO
MERCOSUL, 1., 1996, Santa Maria. Anais. Santa Maria:
Universidade Federal de Santa Maria I CEPEF, 1996.
p.119-126.
KLEIN, R.M. Meliáceas. Itajaí: Herbário Barbosa
Rodrigues, 1984. 138p.
KOTCHETKOFF-HENRIQUES, O.; JOL Y, C.A. Estudo
florístico e fitossociológico em uma mata mesófila
semidecídua da Serra do Itaqueri, Itirapina, Estado de São
Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Biologia, Rio de
Janeiro, v.54, n.3, p.477-487, 1994.
LEITE, P.F.; KLEIN, R.M.; PASTORE, U.; COURA NETO,
AB. A vegetação da área de influência do reservatório da
Usina Hidrelétrica de Ilha Grande (PR/MS): levantamento
na escala 1:250.000. Brasília: IBGE, 1986. 52p.
LEME, M.C.J.; DURIGAN, M.E.; RAMOS, A Avaliação
do potencial forrageiro de espécies florestais. IN:
SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS AGROFLORESTAIS NA
REGIÃO SUL DO BRASIL, 1., 1994, Colombo. Anais.
Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1994. p.147-155.
(EMBRAPA-CNPF. Documentos, 261.
LEWIS, G.P. Legumes of Bahia. Kew: Royal Botanic
Gardens, 1987. 369p.
LIMA, D. de A A flora de áreas erodidas de calcário
Bambuí, em Bom Jesus da Lapa, Bahia. Revista Brasileira
de Biologia, Rio de Janeiro, v.37, n.1, p.179-194, 1977.
Canafístula 11
LIMA, D. de A Recursos vegetais de Pernambuco. In:
REIS, AC. de S.; LIMA, D. de A Contribuição ao estudo
do clima de Pernambuco. Recursos vegetais de
Pernambuco. Recife: CONDEPE, 1970. p.45-54.
(Cadernos do Conselho de Desenvolvimento de
Pernambuco, Agricultura, 1I.
LIMA, D. de A Contribution to the study of the flora of
Pernambuco, Brazil. Recife: Universidade Rural de
Pernambuco, 1954. 154p. (Universidade Rural de
Pernambuco. Monografia, 1I.
LIMA, P.C.F.; LIMA, J.L.S. de. Composição florística e
fitossociologia de uma área de Caatinga em Contendas do
Sincorá, Bahia, microregião homogênea da Chapada
Diamantina. Acta Botânica Brasilica, São Paulo, v.12,
n.3, p.441-450, 1998.
LOCATELLI, M.; GALVÃO, F. Influência da poda de raiz
no crescimento de mudas de Peltophorum dubium
(Sprengell Taubert. In: CONGRESSO FLORESTAL
ESTADUAL, 4., 1980, Nova Prata. Anais. Nova Prata:
Prefeitura Municipal de Nova Prata, 1980. p.99-104.
LOMBARDO, A Flora arborea y arborescente dei Uruguai.
Montevideo: Concejo Departamental de Montevideo,
1964. 151p.
LONGHI, A Livro das árvores: árvores e arvoretas do sul.
Porto Alegre: L & PM, 1995. 174p.
LOPEZ, J.A.; L1TTLE JUNIOR, E.L.: RITZ, G.F.;
ROMBOLD, J.S.; HAHN, W.J. Arboles comunes dei
Paraguay: riande yvyra mata kuera. Washington: Cuerpo
de Paz, 1987. 425p.
LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e
cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova
Odessa: Plantarum, 1992. 352p.
MACHADO, J.A.R.; SIQUEIRA, AC.M.F.; NOGUEIRA,
J.C.B. Avaliação econômica na formação de mudas em
sacos de polietileno e em tubetes para plantio de
canafístula - Peltophorum dubium (Sprengell Taubert.
Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v.1 O, n.2,
p.207-215, dez. 1998.
MAINIERI, C. Madeiras do Parque Estadual Morro do
Diabo. Silvicultura em São Paulo, São Paulo, v.7, p.147-
150, 1970.
MAINIERI, C.; CHIMELO, J.P. Fichas de características
das madeiras brasileiras. São Paulo: IPT, 1989. 418p.
1 2 Canafístula
MAIXNER,AE.; FERREIRA, LAB. Contribuição ao
estudo das essências florestais e frutíferas nativas no
Estado do Rio Grande do Sul. Trigo e Soja, Porto Alegre,
n.18, p.3-20, 1976.
MARCHETTI, E.R. Época de coleta, semeadura,
tratamento pré-germinativo e métodos de semeadura de
espécies florestais cultivadas no Rio Grande do Sul. In:
CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 5., 1984, Nova
Prata. Anais. Nova Prata: Prefeitura Municipal de Nova
Prata, 1984. v.2, p.524-532.
MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das angiospermas:
leguminosas. Santa Maria: Ed. da Universidade Federal
de Santa Maria, 1997. 200p.
MARQUESINI, N.R. Plantas usadas como medicinais
-pelos índios do Paraná e Santa Catarina, sul do Brasil:
guarani, kaingang, xokleng, ava-guarani, kraô e cayuá.
Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1995. 290p.
Tese Mestrado.
MARTINEZ-CROVETTO, R. Esquema fitogeográfico de la
provincia de Misiones (República Argentina). Bonplandia,
Corri entes, v.1, n.3, p.171-223, 1963.
MATTOS, N.F.; GUARANHA, J. Contribuição ao
estudo da grápia. Porto Alegre: Instituto de Pesquisa de
Recursos Naturais Renováveis "AP", 1983. 27p.
(Publicação IPRNR, 12).
MAYWORM, MAS.; BUCKERIDGE, M.S. Carboidratos,
lipídeos e proteínas de sementes de Peltophorum dubium
Vogo (Caesalpiniaceae). In: CONGRESSO NACIONAL DE
BOTÂNICA, 48., 1997, Crato. Resumos. Fortaleza:
BNB, 1997. p.63.
MELLO, E.C. Estudo dendrológico de essências florestais
do Parque Nacional do Itatiaia. Rio de Janeiro: Parque
Nacional do Itatiaia, 1950. 172p. (Parque Nacional do
Itatiaia. Boletim, 2).
MELLO, M.O. de A Contribuição ao estudo da flora
madeireira do Estado da Bahia. Boletim do Instituto
Biológico da Bahia, Salvador, v.8, n.1, p.37-42, 19681
1969.
MUCCI, E.S.F.; LOPEZ, GAC.; MONTAGNA, R.G.
Durabilidade natural de madeiras em contato com o solo
IV. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS
NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais. São Paulo:
Instituto Florestal, 1992. p.558-563. Publicado na
Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 2, edição
especial, 1992.
NAKAJIMA, J.N.; SILVA, L.H.S.; MEDRI, M.E.;
GOLDENBERG, R.; CORREA, G.T. Composição florística
e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ripárias
da Bacia do Rio Tibagi: 5. Fazenda Monte Alegre, Município
de Telêmaco Borba, Paraná. Arquivos de Biologia e
Tecnologia, Curitiba, v.39, n.4, p.933-948, 1996.
NAVE, A.G.; RODRIGUES, R.R.; GANDOLFI, S.
Planejamento e recuperação ambiental da Fazenda São
Pedro da Mata Município de Riolândia - SP. In:
SIMPÓSIO NACIONAL DE RECUPERAÇÂO DE ÁREAS
DEGRADADAS, 3., 1997, Ouro Preto. Do substrato ao
solo: trabalhos voluntários. Viçosa: Universidade Federal
de Viçosa, 1997. p.67-77.
NICOLlNI, E.M. Composição florística e estrutura
fitossociológica do estrato arbóreo em mata mesófila
semidecídua no Município de Jahu, SP. Rio Claro:
Universidade Estadual Paulista, 1990. 179p. Dissertação
Mestrado.
NICOLOSO, F.T.; SARTORI, L.; JUCOSKI, G. de O.;
FORTUNATO, R.P.; MISSIO, E.L. Variações da fonte de
nitrogênio mineral (NO e NH ) no crescimento da
canafístula (Peltophorum dunium (Sprengel) Taubert). In:
CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 51., 2.000,
Brasília. Resumos. Brasília: Sociedade Botânica do Brasil,
2.000, p.37.
NOGUEIRA, J.C.B. A flora do Municipio de Bauru.
Silvicultura em São Paulo, São Paulo, v.10, p.45-54,
1976.
NOGUEIRA, J.C.B. Reflorestamento heterogêneo com
essências indígenas. São Paulo: Instituto Florestal, 1977.
71p. (IF. Boletim Técnico, 24).
NOGUEIRA, J.C.B.; SIQUEIRA, AC.M.F.; MORAIS, E.;
COELHO, L.C.C.; MARIANO, G.; KAGEVAMA, P.V.;
ZANATTO, AC.; FIGLlOLlA, M.B. Conservação genética
de essências nativas através de ensaios de progênie e
procedência. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE
ESSÊNCIAS NATIVAS, 1982, Campos do Jordão. Anais.
São Paulo: Instituto Florestal, 1982. p.957-969.
Publicado na Silvicultura em São Paulo, v.16 A, parte 2,
1982.
OCCHIONI, P. Botânica econômica: árvores ornamentais
da flora do Brasil. Leandra, Rio de Janeiro, v.3/4, n.4/5,
p.105-114,1974.
OCCHIONI, P. Sobre a dispersão pantropical do gênero
Peltophorum (Leg. Caes.). Brasil Florestal. Brasília, v.11,
n.45, p.75-83, 1981.
OLIVEIRA, D.M.T. Morfologia de plântulas e plantas jovens
de 30 espécies arbóreas de leguminosae. Acta Botanica
Brasilica, São Paulo, v.13, n.3, p.263-269, 1999.
OLIVEIRA, E. de C.; PEREIRA, T.S. Morfologia dos frutos
alados em Leguminosae-Caesalpinoideae - Martiodendron
Gleason, Peltophorum (Vogel) Walpers, Sclerolobium Vogel,
Tachigalia Aublet e Schizolobium Vogel. Rodriguésia, Rio
de Janeiro, v.36, n.60, p.35-42, 1984.
OLIVEIRA, M. de L.AA. Flora da restinga de Itapuã,
Via mão, Rio Grande do Sul: Leguminosae. In:
CONGRESSO NACIONAL BOTÂNICA, 42., 1991,
Goiânia. Resumos. Goiânia: Sociedade Botânica do Brasill
Universidade Federal de Góias, 1991. p.516.
PACHECO, AR. Adubação do faveiro IPeltophorum
dubiurrú. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa,
1977. 13p. (Monografia - Grau Engenheiro Florestal).
PAGANO, S.N.; LEITÃO FILHO, H.F.; SHEPHERD, G.J.
Estudo fitossociológico em mata mesófila semidecídua
no Município de Rio Claro (Estado de São Paulo).
Revista Brasileira de Botânica, Brasília, v.10, n.1,
p.49-62, 1987.
PARODI, L.P. Las plantas indigenas no alimenticias
cultivadas en la Argentina. Revista Argentina de
Agronomia, Buenos Aires, v.1, n.3, p.165-212, 1934.
PAULA, J.E. de.; ALVES, J.L. de H. Estrutura
anatômica de madeiras indígenas pará produção de
energia e papel. Pesquisa Agropecuária Brasileira,
Brasília, v.24, n.12, p.1461-1471, 1989.
PEDRALLI, G.; TEIXEIRA, M. do C.B. Levantamento
florístico e principais fisionomias na Estação de
Pesquisa e Desenvolvimento Ambiental de Peti, Santa
Bárbara, Estado de Minas Gerais, Brasil. Iheringia: Série
Botânica, Porto Alegre, n.48, p.15-40, maio 1997.
PEREIRA, AB. Reflorestamento: um dos imperativos,
hoje. A Granja, Porto Alegre, n.376, p.38-41, 1978.
PEREZ, S.C.J.G. de A.; FANTI, S.C.F.; CASALI, CA
Dormancy break and light quality effects on seed
germination of Peltophorum dubium Taub. Revista
Árvore, Viçosa, v.23, n.2, p.131-137, 1999.
PINTO, G.C.P.; BAUTISTA, H.P.; LIMA, J.CA A
Chapada Diamantina, sua fitofisionomia e peculiaridades
florísticas. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA,
35., 1984, Manaus. Anais. Brasília: Sociedade
Botânica do Brasil, 1990. p.256-295.
Canafístula 13
PORTELA, R. de C.Q.; SILVA, I.L. da.; PINARODRIGUES,
F.C.M. Efeito de 4 níveis de
sombreamento sobre o desenvolvimentd inicial de
mudas de Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert
(tamboril) e Clitoria fairchildiana Howard (sombreiro).
In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 50.,
1999, Blumenau. Programa e resumos. Blumenau:
Sociedade Botânica do Brasil/Universidade Regional
de Blumenau, 1999. p.162.
RAGAGNIN, LI.M.; AMARAL, D.M.R. da.
Beneficiamento mecânico de sementes de canafístula.
In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 5., 1984,
Nova Prata. Anais. Nova Prata: Prefeitura Municipal de
Nova Prata, 1984. v.2, p.385-396.
RAMOS, A.; BIANCHETII, A Influência da temperatura e
do substrato na germinação de sementes florestais. In:
SIMPÓSIO INTERNACIONAL: MÉTODOS DE PRODUÇÃO
E CONTROLE DE QUALIDADE DE SEMENTES E MUDAS
FLORESTAIS, 1984, Curitiba. Anais. Curitiba: UFPR 1
IUFRO, 1984. p.252-276.
REITZ, R. Salicáceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues,
1983. 23p.
REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A Projeto madeira de
Santa Catarina. Sellowia, Itajaí, n.28/30, p.3-320, 1978.
ROCHA, F.T.; LOPEZ, GAC.; SPEGEORIN, L.;
YOKOMIZO, N.K.S.; MONTAGNA, R.G.; FLORSHEIM,
S.M.B. Durabilidade natural de madeiras em contato com
o solo: V - avaliação final (20 anos). Revista do Instituto
Florestal, São Paulo, v.12, n.1, p.59-66, 2000.
RODERJAN, C.V. Caracterização da vegetação da Reserva
Florestal Cabeça de Cachorro em Toledo, PRo Curitiba:
Universidade Federal do Paraná, 1990b. 10p.
Mimeografado.
RODERJAN, C.V. Caracterização da vegetação do Parque
Florestallbicatú em Centenário do Sul, PRo Curitiba:
Universidade Federal do Paraná, 1990a. 10p.
Mimeografado.
RODERJAN, C.V. Um trabalho prático para a identificação
das árvores utilizadas nas ruas de Curitiba-PRo In:
ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO
URBANA, 3., 1990, Curitiba. Anais. Curitiba: FUPEF,
1990. p. 287-292.
RODERJAN, C.V.; KUNIYOSHI, Y.S. Caracterização da
vegetação natural da Reserva Biológica de Diamante do
Norte-PR. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1989.
18p. Mimeografado.
14 Canafístula
ROMAGNOLO, M.B.; SOUZA, M.C. de. Análise florística
e estrutural de florestas ripárias do Alto Rio Paraná,
Taquaruçu, MS. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v.14,
n.2, p.163-174, 2000.
SAKITA, M.N.; VALLlLO, M.1. Estudos fitoquímicos
preliminares em espécies florestais do Parque Estadual do
Morro do Diabo, Estado de São Paulo. Revista do Instituto
Florestal, São Paulo, v.2, n.2, p.215-226, 1990.
SALVADOR, J.L.G. Considerações sobre as matas ciliares
e a implantação de reflorestamentos mistos nas margens
de rios e reservatórios. São Paulo: CESP, 1987. 29p.
(CESP. Série Divulgação e Informação, 105).
SALVADOR, J.L.G.; OLIVEIRA, S.B. Reflorestamento
ciliar de açudes. São Paulo: CESP, 1989. 14p. (CESP.
Série Divulgação e Informação, 123).
SANTOS, N.R.Z. dos.; TEIXEIRA, I.F. Levantamento
quantitativo e qualitativo da arborização do bairro centro
da cidade de Santa Maria - RS. In: ENCONTRO
NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, 3., 1990,
Curitiba. Anais. Curitiba: Fundação de Pesquisas Florestais
do Paraná, 1990. p.263-276.
SHIMIZU, J.Y.; GARRIDO, L.MAG.; GARRIDO, MA;
CARVALHO, P.E.R.; CARPANEZZI, AA Variações inter e
intrapopulacionais em canafístula. Boletim de Pesquisa
Florestal, Curitiba, n.14, p.19-27, 1987.
SILVA, AA da. Propagação vegetativa de essências
florestais nativas. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE
ESSÊNCIAS NATIVAS, 1982, Campos do Jordão. Anais ...
São Paulo: Instituto Florestal, 1982. p.934-947. Publicado
na Silvicultura em São Paulo, v.16 A, parte 2, 1982.
SILVA, F. das C. e.; FONSECA, E. de P.; SOARES-SILVA,
L.H.; MULLER, C.; BIANCHINI, E. Composição florística e
fitossociologia do componente arbóreo das florestas
ciliares da Bacia do Rio Tibagi. 3. Fazenda Bom Sucesso,
Município de Sapopema, PRo Acta Botânica Brasilica, São
Paulo, v.9, n.2, p.289-302, 1995.
SILVA, L.B.X. da; REICHMANN NETO, F.; TOMASELLI, I.
Estudo comparativo da produção de biomassa para energia
entre 23 espécies florestais. In: CONGRESSO FLORESTAL
BRASILEIRO, 4., 1982, Belo Horizonte. Anais. São Paulo:
Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1982. p.872-878.
Publicado na Silvicultura, v.8, n.28, 1983.
, SILVA, L.B.X. da; TORRES, MAV. Espécies florestais
cultivadas pela COPEL-PR (1974-1991). In: CONGRESSO
NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São
Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.585-
594. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte
2, edição especial, 1992.
SIQUEIRA, AC.M.F.; NOGUEIRA, J.C.B. Essências
brasileiras e sua conservação genética no Instituto Florestal de
São Paulo. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS
NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto
Florestal, 1992. p.1187. Publicado na Revista do Instituto
Florestal, v.4, parte 4, edição especial, 1992.
SIQUEIRA, AC.M.F.; NOGUEIRA, J.C.B.; ZANATIO,
AC.Z.; MORAIS, E.; ZANDARIN, MA Conservação dos
recursos genéticos da guarucaia - Peltophorum dubium
(Spreng.) Taub. Boletim Técnico do Instituto Florestal, São
Paulo, v.40A, p.302-313, 1986.
SOARES-SILVA, L.H.; BIANCHINI, E.P.; FONSECA, E.P.;
DIAS, M.C.; MEDRI, M.E.; ZANGARO FILHO, W.
Composição florística e fitossociologia do componente
arbóreo das florestas ciliares da bacia do Rio Tibagi. 1.
Fazenda Doralice - Ibiporã,PR. In: CONGRESSO
NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São
Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.199-
206. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte
1, edição especial, 1992.
SOUZA CRUZ. Departamento de Fumo. Setor de
Comunicação Social (Florianópolis-SC). Reflorestar é
preservar. Florianópolis, 1992. 46p.
SOUZA, M.C. de; CISLlNSKI, J.; ROMAGNOLO, M.B.
Levantamento florístico. In: VAZZOLER, AEAM.;
AGOSTINHO, AA; HAHN, N.S., ed. A planície de
inundação do alto Rio Paraná: aspectos físicos, biológicos
e socioeconômicos. Maringá: Editora da Universidade
Estadual de Maringá I Nupélia, 1997. p.343-368.
STILLNER, F.J. Dormentes de madeiras "brancas".
Roessléria, Porto Alegre, v.3, n.2, p.141-164, 1980.
TAVARES, S. Madeiras do Nordeste do Brasil. Recife:
Universidade Federal Rural de Pernambuco, 1959. 171p.
(Universidade Federal Rural de Pernambuco. Monografia, 5).
THIBAU, C.E.; HEISEKE, D.H.; MOURA,V.P.; LAMAS,
J.M.; CESAR, R.L. Inventário preliminar expedito da
Estação de Experimentação de Paraopeba em Minas Gerais.
Brasil Florestal, Rio de Janeiro, v.6, n.21, p.34-71,
1975.
THUM, AB. Influência da inundação na disseminação
natural de espécies florestais em povoamentos de
Eucalyptus sp. In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL,
7., 1992, Nova Prata. Anais. Santa Maria: Universidade
Federal de Santa Maria, 1992. v.1, p.239-249.
TIGRE, C.B. Guia para reflorestamento do polígono
das secas. Fortaleza: DNOCS, 1964. 51p. (DNOCS.
Publicação, 242).
TOLEDO FILHO, D.V. de.; PARENTE, P.R. Arborização
urbana com essências nativas. Boletim Técnico do
Instituto Florestal, São Paulo, v.42, p.19-31, 1988.
VIEIRA, M.G.L.; MORAES, J.L. de.; BERTONI, J.E. de A;
MARTINS, F.R.; ZANDARIN, MA Composição florística
e estrutura fitossociológica da vegetação arbórea do Parque
Estadual de Vaçununga, Santa Rita do Passa Quatro (SP). 11
- Gleba Capetinga oeste. Revista do Instituto Florestal, São
Paulo, v.1, n.1, p.135-159, 1989.
Canafístula 15
VILELA, E. de A; OLIVEIRA FILHO, AT. de.;
CARVALHO, DA de.; GAVILANES, M.L.
Fitossociologia e fisionomia de mata semidecídua
margeando o Reservatório de Camargos em Itutinga,
Minas Gerais. Ciência e Prática, Lavras, v.18, n.4,
p.415-424, 1994.
ZELAZOWSKI, V.H.; LOPES, G.L. Avaliação preliminar
da competição de crescimento entre 39 espécies
arbóreas, em área sombreada com leucena (Leucaena
leucocephala). In: CONGRESSO FLORESTAL
BRASILEIRO, 7., 1993, Curitiba. Anais. Curitiba: SBS /
SBEF, 1993. v.2, p.755.
Colombo. PR
Novembro, 2002
Autor
Paulo Ernani Ramalho
Carvalho
EngenheiroFlorestal,
Doutor,
ernani@cnpf.embrapa.br
Canafístula
/SSN 1517-5278
TaxonomiaPagina Inicial )

014 3441 3501
florestamudas@gmail.com

Nosso Viveiro de Mudas é localizado na Estrada de Parnaso - São Martinho
Tupã-SP